Mafalda Ribeiro

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Biografia

Tem 35 anos de uma vida invulgar. Estudou jornalismo, mas foi técnica de comunicação numa empresa de ambiente. Não é jornalista na prática, mas é o gosto pelas letras que faz mover a sua cabeça, ainda que as pernas não lhe obedeçam. Convive com a doença rara congénita Osteogénese Imperfeita e desloca-se em cadeira de rodas desde sempre.

Publicou em 2008 o seu primeiro livro “Mafaldisses – Crónicas sobre rodas” (4ª edição) e voltará ao mercado editorial este ano. É autora, cronista e interventiva na área da exclusão social. Fez uma Certificação em Coaching Internacional e é oradora motivacional. É convidada para falar em público acerca da sua visão otimista da vida em empresas, hospitais, escolas, seminários e conferências.

É voluntária em projectos de solidariedade social, tem um olhar humanista e aguçado do mundo e por isso dá a cara e a voz pela inclusão e pela igualdade de oportunidades, sempre que lhe dão tempo de antena. Mafalda Ribeiro não vê limites diante das suas limitações. É uma mulher de palmo e meio, informada, atenta aos pormenores e grata por poder continuar a usufruir da viagem da vida. Celebra-a continuamente com um sorriso!

Resumo

Contra o queixume rodar, rodar!”

Pode pensar-se que o povo português é aquele que mais anda. É que quando se pergunta a alguém: “como estás?”, a resposta é quase sempre um “vai-se andando” ou “vai-se indo”, por vezes acompanhado de um ar cabisbaixo, como que conformado com o morno da vida. O que na verdade querem dizer é que enquanto “nada anda”, o melhor é ficar parado à espera “que a coisa mude”. E do alto da mudança que até desejam, preferem o queixume do dia-a-dia ao verdadeiro acto de mudar. Afinal, não são as pessoas que andam, mas sim os lamentos que dão grandes passeios a pé a partir das suas bocas.

E quem não anda? Não porque não quer, mas porque não pode… Usa a palavra “Obrigada” como o motor de arranque para tudo na vida, independentemente das circunstâncias. Insurge-se contra o queixume permanente porque acredita que não são as limitações exteriores, nem mesmo as que nos dizem ser nossas, que têm a capacidade de determinar os nossos limites.

O segredo para “rodar”, de uma forma agradecida, nos caminhos que a vida nos oferece é a conjugação diária de parar de reclamar de tudo e de nada e de não permitir que a certeza do quão amados somos arrefeça.

E quem não se levanta? Porque não quer, mas porque não pode… Usa o amor dos que empurram, levantam, incentivam, animam, constroem, nutrem e acrescentam motivos para a gratidão não ter limites.

Essa pessoa sou eu, que não sou aquilo que me falta e que nunca precisa de ir porque me levam sempre!

Por isso, experimentem perguntar-me “como és?” que a resposta será “Feliz”, por convicção. Responder ao “como estás?” já pressupõe emoções, mas nenhuma delas deverá ter o poder de controlar o meu andar sobre rodas.


Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.